10 novembro 2009

Vaticano discute vida alienígena

Pelo jeito falta pouco para que os governos comecem a expor a verdade sobre vida fora do nosso lindo planeta. Quem diria que o Vaticano seria sede de uma Semana de Estudos de Astrobiologia? Bom, eu já acredito que se existe um lugar no mundo, onde se sabe todos os segredos da Terra e de fora dele, este lugar é o Vaticano.
Segue a matéria:

SÃO PAULO – Desde sexta-feira, a cidade do Vaticano é sede da Semana de Estudos de Astrobiologia, um evento organizado pela Pontifícia Academia das Ciências.
No catálogo de apresentação do evento há um questionamento: se planetas são tão comuns em estrelas na Via Láctea, não poderia a vida ser também?
A programação foi organizada em oito módulos: A Origem da Vida (como as moléculas se organizaram para que a vida começasse); Habitabilidade Através do Tempo (como a Terra manteve a vida ao longo de sua história geológica); Ambiente e Genomas (como a vida e o ambiente interagiram no tempo geológico); Detectando Vida em Outros Lugares (perspectivas e técnicas para encontrar vida em ambientes fora do Sistema Solar). Estratégias de Busca para Planetas Exosolares (explica as técnicas usadas para encontrar planetas ao redor de outras estrelas e determinar suas propriedades); Formação de Planetas Exosolares (como os planetas se formam como parte do processo de formação das estrelas); Propriedades dos Planetas Exosolares (modelos de computador, dados astronômicos e alguma especulação sobre as propriedades desses planetas); e Inteligência em Outros Locais e Vida Sombria (existência de formas de vida inteligente e também baseadas em uma bioquímica diferente da terrestre).
A existência de vida fora da Terra é um assunto delicado para a Igreja Católica, uma vez que levanta muitas dúvidas a respeito de como as explicações bíblicas se encaixariam para outros mundos.
No passado, a Igreja já condenou à morte aqueles que afirmaram a existência de vida fora da Terra. Caso do italiano Giordano Bruno, acusado de heresia e queimado na fogueira em 1600.
Agora, assim como deixou de negar a teoria da evolução de Charles Darwin (o Papa João Paulo II afirmou que a evolução é “mais do que uma hipótese” e este ano a Igreja realizou uma conferência em homenagem aos 150 anos do lançamento de “A Origem das Espécies”) e as idéias de Galileu, o Vaticano já admite a existência de formas de vida fora do nosso planeta. Da mesma maneira que fez com as outras teorias científicas, a Igreja afirma que as explicações não contradizem a Bíblia.
No ano passado, por exemplo, o jornal oficial do Vaticano trazia um artigo com o título “Aliens São Irmãos”, que dizia que buscar formas de vida extraterrestres não contradiz a crença em Deus.
A conferência teve início na sexta-feira e acaba hoje.

Fonte:
http://info.abril.com.br/noticias/ciencia/vaticano-discute-vida-alienigena-10112009-17.shl

4 comentários:

  1. Essa realmente são boas notícias, mas o que estaria por de trás dessa tentativa de informar ao público que já foi enganado a séculos? Não quero ser estraga prazeres, mas, '' gato escaldado tem medo de água fria''...

    ResponderExcluir
  2. Boas,

    encontrei agora o teu blog.

    gostava que ficasses também com o meu. Tenho colaborado também com o pessoal do Realidade Oculta.

    Fica bem.
    Abraços

    www.odetriunfante.pt.vu

    ResponderExcluir
  3. É Adriano, com certeza sempre devemos esperar mais do que realmente é, vamos aguardar!!

    ResponderExcluir
  4. É por isso que eu agradeço a minha família por nunca ter me enfiado dentro de uma igreja!!! Não somos Ateus, mas muito menos somos o gado do pastor!!!

    Agora que a coisa toda tá indo pras "cucuias" eles estão desesperados para arrumar outro discurso para que o povo ainda acredite nas mazelas da pregação maipuladora!!!!

    ResponderExcluir

Comentário anônimo não será mais publicado devido a inúmeras discussões sem o menor sentido que alguns sem sintonia nenhuma no blog insistem em discutir com o objetivo de tumultuar o espaço que é feito para complementar e compartilhar informações e opiniões (não ofensas), a identificação também facilita o "diálogo".