27 maio 2010

Está tudo interligado e o Sol é o principal ator no palco dos acontecimentos

Parte 1 - Clique aqui


TERREMOTO: TODA AÇÃO POSSUI UMA REAÇÃO
Podemos sintetizar dizendo que abalos sísmicos são liberações de energia acumulada que fazem movimentar camadas geologicamente sobrepostas.

As placas tectônicas recebem pressão constante, tanto de cima para baixo, por causa do peso exercido pela massa da crosta terrestre, quanto de baixo para cima, pela pressão ascendente provocada pelo calor e as forças oriundas do núcleo do planeta, como se fosse uma panela de pressão. Além destas pressões verticalmente induzidas, existe uma pressão horizontal criada pelo movimento lateral constante dos continentes, o que gera um atrito entre as camadas e por conseqüência, a geração de grandes volumes de energia.

Estas energias, com o passar do tempo, vão exercendo pressão e produzindo como efeito colateral, calor e força cinética e se acumulam em determinados pontos do planeta onde as placas possuem setores de vulnerabilidade. Em determinado momento, essa energia é liberada abruptamente, produzindo o fenômeno interpretado por nós como terremoto ou abalo sísmico.

Quando um terremoto ocorre é porque a energia toda ou parte dela, foi liberada do subsolo, “esvaziando” os repositórios geológicos que a acumulavam. Quando temos um período de grande atividade sísmica significa que muita energia está sendo acumulada e liberada pela Terra, o que de certo modo é algo positivo. Porém, podemos considerar como atemorizante os períodos isentos de terremotos, porque isso significa que muita energia está sendo acumulada sem liberação. Isso nos faz lembrar da sábia expressão newtoniana que “toda ação produz uma reação equivalente”. Ou seja, ficar muito tempo sem abalos sísmicos indica que toda a energia, hora ou outra, SERÁ LIBERADA DE FORMA RÁPIDA E RADICAL. Tal liberação pode vir a produzir resultados negativos de grande amplitude, assim como a explosão de uma panela de pressão, cuja válvula de segurança estava bloqueada por algum tempo.
Se a Terra pode ser entendida como um capacitor de energia, então de onde provém a energia capaz de se acumular dentro deste capacitor? Ora, tal energia é produzida pelo Sol e transmitida para a Terra através das explosões de massa coronal. Essa enorme quantidade de energia atinge o núcleo do planeta e depois retorna para a superfície, através de um processo que pode levar dias, semanas ou meses.

Para ilustrar a situação atual, elaborei um levantamento da quantidade de terremotos ocorrida na Terra e da quantidade de ejeções de massa coronal (EMC) do Sol. Comparei ambos os dados em um único gráfico de duas linhas e o que surgiu foi algo revelador.
A linha azul representa a quantidade de terremotos (medidos entre 5 até 9 graus pela escala Richter).
Linha rosa indica a quantidade de EMC (medidas em todas as intensidades).

Podemos ver na linha rosa (mostra a quantidade de EMC), que existe um padrão formado por picos e vales e que estes se arranjam em um formato senoidal de caráter cíclico e praticamente previsível. Por outro lado, a linha azul, que representa a quantidade de terremotos, também apresenta a um comportamento aparentemente cíclico. Mas o que ambas tem em comum?

A relação entre ambas as linhas, considerando tudo o que foi escrito acima, é que a cada vez que o Sol atinge uma curva ascendente de EMC (formando um pico), a Terra passa a captar e acumular energia. E quando a linha do Sol entra em declínio (formando um vale) a Terra libera a energia acumulada, provocando abalos e fazendo a linha azul subir, criando um pico. Pensando assim podemos entender que a atividade solar intensa e a quantidade de EMC estão inversamente proporcionais à quantidade de terremotos na Terra, mostrando claramente uma interatividade baseada na inexorável e onipresente lei universal de ação e reação.

O QUE NOS RESERVA O FUTURO

É difícil fazer prognósticos para o futuro da Terra em termos geológicos, mas uma coisa é certa: analisando a linha do gráfico que mostra a quantidade de terremotos ocorridos nos últimos anos, vemos que a linha é decrescente (mau sinal) e, portanto, MUITA ENERGIA ESTÁ SENDO ACUMULADA. Assim, mais cedo ou mais tarde esta energia deverá ser liberada. É espantoso observar que desde 1970 não tivemos uma queda tão radical na quantidade de terremotos, enquanto no ano de 2009 a linha atingiu o menor patamar dos últimos 40 anos.

Analisando o gráfico vemos em 2007 um grande pico na quantidade de terremotos, pois desde 2003 a curva vem crescendo. No entanto, ela cai em 2008 e atinge o menor patamar em 2009. Observando o passar dos anos neste mesmo gráfico, sempre que a curva se torna crescente, uma queda abrupta vem logo em seguida e depois a curva torna novamente a subir de modo intenso.

Se considerarmos que em 2009 a curva caiu vertiginosamente e aplicarmos a lei de “que toda ação possui uma reação proporcional e equivalente”, podemos ver que em 2010 e nos próximos anos, a curva tenderá a subir de maneira radical. Não só pela quantidade de terremotos, mas pela intensidade dos mesmos.

Os terremotos ocorridos na Terra entre os anos de 2003 e 2007 podem corresponder à liberação de energia acumulada durante o período de maior atividade solar entre os anos de 1998 e 2003. Isso poderia gerar um quadro aterrador para 2010, 2011 e 2012 e nos anos sucessivos. Porque de 2007 até 2009 tivemos uma atividade solar mínima, com pouquíssimas ocorrências de EMC. Enquanto em dezembro de 2009 até inícios de 2010, acusamos uma crescente e explosiva atividade solar repentina, com EMC fantásticas e gigantescas que, sem dúvida, estão liberando quantidades inimagináveis de energia sobre a Terra.
Somando o fato que nos últimos três anos tivemos um suposto acúmulo de energia no interior da Terra, com poucos momentos de liberação, é de se acreditar que no momento atual nosso planeta já esteja próximo ao LIMITE MÁXIMO de capacidade de acumular energia. Com as últimas EMC ocorrendo diariamente de forma tão intensa, a energia acumulada pode vir a ser liberada de uma maneira violenta não somente em 2010, mas no decorrer dos anos vindouros.

Para complicar tal quadro, devemos levar em consideração as medições relacionadas com o campo magnético da Terra, pois tudo indica que uma inversão de polaridade está ocorrendo novamente. Este fenômeno representa o prenúncio de catástrofes geológicas e climáticas, haja vista que todas as vezes que essa alteração ocorre, diversos cataclismos surgem, conforme demonstram alguns estudos fornecidos por centros científicos especializados.

Fato ou especulação nós devemos refletir que a vida na Terra está passando por mudanças profundas e capazes de afetar a todos os organismos vivos. Sejam tais mudanças preditas por profetas milenares ou pela avançada tecnologia científica moderna, estamos todos no mesmo barco. Crentes ou céticos, sábio é aquele que compreende sua posição em meio ao caos e atua de maneira a contribuir para o alivio do sofrimento alheio. Na atribulação psíquica que vivemos, ou seremos parte do problema, ou parte de sua solução. Cabe a cada um encaixar-se na parte que melhor lhe convém, sem esquecer que “toda ação produz uma reação equivalente” e todos nós somos responsáveis por aquilo que cultivamos.

Por Fábio Bettinassi é publicitário, pesquisador e colaborador do jornal Via Fanzine.
Crédito: Arauto do Futuro

Acho que diante de tantos argumentos não há como duvidar da influência do Sol nos recentes acontecimentos e no que está por vir. Esqueça o aquecimento global (causado pelo homem), não é só uma farsa, esse tipo de “doutrinação” pesada nas escolas e na mídia, serve também para que mantenha toda uma geração cativa novamente na ignorância de fatos que os povos antigos já sabiam de cor e saltiado.  

O Sol é nosso maior influenciador, ele passa por ciclos, assim como nos humanos passamos por milhares de ciclos no decorrer da vida e por que não falar, no decorrer das encarnações, assim como o clima tem seus ciclos, o Sistema Solar, o Universo...Enfim, somos energia e energia muda a todo momento e sofremos influências de tudo quanto é lado.

Arriscaria algo mais audacioso, estamos todos vivendo no limite, a maioria pelo menos está tão cheio que parece que vai explodir a qualquer momento. Pois bem meus amigos, se estamos em sintonia com Gaia e estamos, porque somos feitos da mesma energia e estamos todos conectados,  o que acontece é que estamos percebendo a energia acumulada na Terra, quando a energia for dispersada, tanto a Terra como nós, em meio a tribulações mil, ficaremos bem.

Vamos esperar, porque pelo andar da carruagem, o ano de 2010 promete muita coisa e precisamos estar preparados para não aceitar qualquer explicação imbecil que queiram nos dar.
Um beijo no coração de todos
Ravena

"Para reprodução integral ou parcial do texto, é necessário citar a fonte e o link da postagem original"





5 comentários:

  1. Obrigada Ravena!
    Beijo grande
    Dani

    ResponderExcluir
  2. Sei que não foi vc que postou, mas estou tão admirada que tenho que falar com alguém. No site Minha Maestria o autor diz ter recebido uma canalização que falava de uma imensa tsunami no Oriente, causadora de inúmeras mortes. Apesar de questionado sobre a total falta de notícias na televisão sobre a tal tsunami ele parece afirmar que isto é coisa de incrédulos. Qual é a sua opinião: Loucura ? ou tem gente já vivendo em outro universo.

    ResponderExcluir
  3. Olá Anônimo,

    Olha não soube de nenhum tsunami no Oriente, e também não vi esse post no Minha Maestria, ele postou muitas coisas recentente e eu não estou com tempo de ficar procurando ( estou sem computador em casa), se você me enviar o link da página fica mais fácil responder, ok?

    Abraço

    ResponderExcluir
  4. è bem sabido e geológicamente comprovado que o nosso planeta ja passou por grandes e várias mudanças, que ocorram ao longo de toda a existencia do planeta, se não hoje não teríamos o tão útil petróleo, não é mesmo!
    Nossa existência aqui é muito recente, ainda não vimos nada do que a terra ja viveu. Mas esse assunto é simplemente apaixonante!

    ResponderExcluir
  5. Fala serio esse artigo errou feio, bom o que se esperava, um publicitário falando de assuntos técnico de uma área que ele nem conhece. 2010, 11 e 12 não houve tremores significativos, com excessão do japão, mas lá não conta o pais só falta sair deslizando na litosfera, Deus os livre.

    ResponderExcluir

Comentário anônimo não será mais publicado devido a inúmeras discussões sem o menor sentido que alguns sem sintonia nenhuma no blog insistem em discutir com o objetivo de tumultuar o espaço que é feito para complementar e compartilhar informações e opiniões (não ofensas), a identificação também facilita o "diálogo".