21 dezembro 2010

O que realmente está por trás do WikiLeaks?


Via Prova Final


Enquanto Lula elogia o Wikileaks, a diplomacia brasileira usa o caso como exemplo visando a formação de um órgão de censura à internet sob o controle da ONU.

A nível de curiosidade, foi muito legal conhecer as conversas e comunicações das embaixadas americanas, assim como também seria muito interessante ver o que dizem às ocultas os embaixadores do Brasil. Infelizmente, ainda não houve um vazamento de tais comunicações secretas do Brasil.

Fora alguns fatos exóticos, o WikiLeaks revelou informações realmente confidenciais? Num dos vazamentos tratando de setores cruciais para a segurança dos EUA, menciona-se uma fábrica australiana que produz antídoto contra veneno de cobra. Dá para crer que se os terroristas islâmicos atacarem a fábrica australiana, os EUA estarão vulneráveis ao maior ataque de cobras da história humana?

O cenário seria terrível: cobras mordendo Obama e seus ministros. Milhares de cobras venenosas deslizando nas ruas e atacando milhares de participantes das paradas gays de San Francisco a Nova Iorque. Cobras em escolas, hospitais e estádios de futebol, com milhões de pessoas caídas por mordidas envenenadas.

Pobres cobras do mundo! Estão servindo como bodes expiatórios de algum grande esquema. E há outros absurdos na lista vazada de possíveis alvos terroristas.

Duvido muito que os terroristas islâmicos tenham caído nessa estória de que a fábrica australiana é vital para a segurança dos EUA. Mas não duvido de que por trás do WikiLeaks haja “cobras” e “serpentes”, mas não do tipo que conhecemos na natureza. São depravadas mentes humanas com natureza de cobras astutas e malignas.

Desgraçadamente, o WikiLeaks não revelou nenhum segredo realmente importante do governo dos EUA. Se tivesse tentado revelar, o governo americano tem agentes secretos suficientes e poder suficiente para “resolver” esse problema. Aliás, a CIA tem durante décadas assassinado pessoas, matando homens realmente maus, mas também eliminando pessoas inocentes, inclusive no caso célebre onde foi abatido um avião com uma família de missionários evangélicos.

O livro “Target: Patton, The Plot to Assassinate General George S. Patton” (Alvo: Patton, o Complô para Assassinar o General George S. Patton), de Robert Wilcox, conta como o nascimento do serviço secreto americano, infiltrado por marxistas, foi acompanhado de assassinatos secretos de criminosos e inocentes.

Nada impede a CIA de neutralizar os inimigos dos interesses dos EUA. Contudo, Julian Assange está vivo, e recebendo apoio em massa de esquerdistas famosos, até mesmo dos EUA, que defendem o controle da internet – um controle que mantenha o domínio absoluto das ideias deles e extermine as ideias conservadoras.

Recentemente, Assange obteve apoio financeiro de Michael Moore, produtor de um documentário sobre “homofobia”. No que depender de Moore, supremo bufão do marxismo hollywoodiano, liberdade de expressão é direito que deve ser outorgado apenas aos que prestaram juramento de fidelidade à sodomia.

O presidente Lula da Silva é uma das figuras internacionais que protestou contra a “perseguição” a Assange e, aos olhos do público, defendeu o direito de livre expressão do WikiLeaks. Ué? Onde está o Lula cujo governo sempre quis censurar a internet no Brasil?

Entretanto, os diplomatas do Brasil na ONU, sob a orientação de Lula, estão liderando uma iniciativa para criar um órgão da ONU para policiar a internet, com o pretexto de evitar vazamentos semelhantes aos do WikiLeaks. O mesmo Lula que defende a liberdade de expressão do WikiLeaks está usando-o para restringir a liberdade de expressão dos internautas no mundo inteiro.

Se o caso do WikiLeaks fosse tão sério, por que Assange está vivo? Por que o WikiLeaks continua na internet? Por que Lula o apóia? E há outros fatos estranhos. Quem repassou ao WikiLeaks as informações suspostamente confidenciais dos EUA foi um soldado homossexual americano. Então por que o governo americano está tão determinado e obcecado em garantir que homossexuais assumidos atuem nas forças armadas?

Se o WikiLeaks representasse perigo para a segurança dos EUA, então quem deveria sofrer banimento, repressão e exclusão: a homossexualidade ou o direito de livre expressão das pessoas que usam a internet? Como explicar que a nação mais poderosa do mundo “deixou” vazar milhares de informações supostamente confidenciais? No espetáculo que se criou em volta do WikiLeaks, quem será a vítima real?

Logo depois dos recentes vazamentos do WikiLeaks, o Ministério de Segurança Nacional dos EUA, sem nenhuma notificação, assumiu o controle de dezenas de sites considerados “perigosos”, mas sem nenhum vínculo com WikiLeaks. Foi censura sumária sem direito de resposta. Mas, com todo o seu imenso poderio, o governo americano e seus milhares de agentes secretos no mundo inteiro fingem ter poucos poderes para encerrar definitivamente o WikiLeaks, cuja existência se tornou mera desculpa para silenciar quem nada tem a ver com Assange, que está cotado para ser o “Homem do Ano” pela revista esquerdista americana Time.

O WikiLeaks, ao pretender revelar segredos, acabou deixando uma espessa nuvem de dúvidas sobre as reais intenções ocultas dos que o estão usando, ou contra ou a favor, para impor patrulhamento no ciberespaço e uma era de trevas em que a internet seja uma fechada zona de segurança contra os que discordam do Governo Mundial e suas políticas de intrusão e controle sobre as pessoas, famílias e crianças. Mídia Sem Máscara

5 comentários:

  1. Olá Ravena, estava navegando pelo Site do Terra Hoje de manhã e olha só o que encontrei: Estudo propoe reduzir a vulnerabilidade climática reduzindo os Pobres, isso mesmo, os pobres, e está no Terra: http://terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI4853959-EI6780,00-Reduzir+a+vulnerabilidade+climatica+diminuindo+os+pobres.html

    ResponderExcluir
  2. Caro Ravena,
    Acho que sua colocação sobre a censura da internet pelo governo Lula é uma inverdade.

    Democracia tucana

    27/10/2010

    Na calada da noite, avança projeto de deputado do PSDB para censurar internet e quebrar sigilo de internautas

    por Luiz Carvalho, no site da CUT

    No início de outubro, em um Congresso Nacional esvaziado enquanto o Brasil discute as eleições, o Projeto de Lei (PL) 84/99 do senador Eduardo Azeredo, do PSDB de José Serra, foi aprovado em duas comissões na Câmara.

    Também conhecido como “AI-5 digital”, uma referência ao Ato Institucional nº 5 que o regime militar baixou em 1968 para fechar o parlamento e acabar com a liberdade de expressão, o PL permite violar os direitos civis, transfere para a sociedade a responsabilidade sobre a segurança na internet que deveria ser das empresas e ataca a inclusão digital.

    O projeto de Azeredo passa também a tratar como crime sujeito a prisão de até três anos a transferência ou fornecimento não autorizado de dado ou informação. Isso pode incluir desde baixar músicas até a mera citação de trechos de uma matéria em um blog.

    Conheça os principais pontos do projeto do Azeredo.

    1. Quebra de sigilo

    Ironicamente, o PL do parlamentar ligado ao partido que se diz vítima de uma suposta quebra de sigilo nas eleições, determina que os dados dos internautas possam ser divulgados ao Ministério Público ou à polícia sem a necessidade de uma ordem judicial. Na prática, será possível quebrar o sigilo de qualquer pessoa sem autorização da Justiça, ao contrário do que diz a Constituição.

    2. Internet para ricos

    Azeredo quer ainda que os provedores de acesso à Internet e de conteúdo (serviços de e-mail , publicadores de blog e o Google) guardem o registro de toda a navegação de cada usuário por três anos, com a origem, a hora e a data da conexão.

    Além de exemplo de violação à privacidade, o projeto deixa claro: para os tucanos, internet é para quem pode pagar, já que nas redes sem fio que algumas cidades já estão implementando para aumentar a inclusão digital, várias pessoas navegam com o mesmo número de IP (o endereço na internet).

    3. Ajudinha aos banqueiros

    Um dos argumentos do deputado ficha suja reeleito em 2010 – responde a ação penal por peculato e lavagem ou ocultação de bem –, é que o rastreamento das pessoas que utilizam a internet ajudará a acabar com as fraudes bancárias. Seria mais eficaz que os bancos fossem obrigados a adotar uma assinatura digital nas transações para todos os clientes. Mas, isso geraria mais custos aos bancos e o parlamentar não quer se indispor com eles.

    O que acontece agora?

    Atualmente, o “PL Azeredo” tramita na Câmara de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara e aguarda a posição do relator Júlio Semeghini, do PSDB-RJ.

    A má notícia é que foi esse deputado que garantiu, em outubro de 2009, que o projeto aguardaria o desenrolar dos debates para seguir tramitando. Mas, Semeghini fez o contrário do prometido e tocou o projeto adiante.

    Com a provável aprovação, a última alternativa para evitar que vire lei e acabe com a democracia digital no Brasil será o veto do próximo presidente.

    ResponderExcluir
  3. Oi Rave!
    Beijo meu coração, muito obrigado pelos elogios a nova roupagem do meu blog. Graças ao administrador do Particulas da Fonte que vem me dando uma força e tanto.
    Faço isto, para melhorar cada vêz mais, este é o propósito de estar aqui unindo esforços com mais vocês para levar boas informações a todos.
    Viu, muitas coisas ocorrem nos céus de Pinda, pena que existe pouco apelo ufológico em minha cidade, mas se colocar no Youtube, Ufos em Pindamonhangaba, verá algumas coisas interessantes.
    Meu amigo Ezequiel está até bobo com o que tem visto e já dei as dicas a ele para que envie uma cópia do que fotografou e ou filmou para a equipe da revista UFO.
    Estamos elaborando uma idéia de pegar depoimentos de pessoas que viram fatos estranhos relacionados aqui em Pinda.
    Se pudermos disponibilizar fotos, isso será feito, mas ele quer primeiro ver o que de fato é.
    Rave, vamos nos aproximar muito e muito mais em 2011, somos como planetas, estávamos distantes e agora nos aproximando, belo bem comum.
    Rave, boas festas a você e a todos de sua família, que 2011, seja um ano de muitas e muitas conquistas para você.
    Aprendi a gostar de você, neste pouco tempo aqui, aprendi muito e parece até que nos conhecemos há muito tempo.
    Estou feliz em estar ao lado de blogues maravilhosos e é por vocês que estou me situando, estou aprendendo e ao mesmo tempo me despertando.
    Quem sabe em 2011 poderemos nos unir ainda mais, o futuro a Deus pertence.
    Beijos e mais beijos a quem se quer bem,
    Boas festas a todos que leem blogues e que passarão por aqui.
    Atenciosamente,
    Daniel Lucas.

    ResponderExcluir
  4. Mesmo sem ser de direita, pois não acredito mais nessas coisas (todos são ladrões), creio que essa questão do Wikileaks tem algo a ver com a necessidade de diminuição da globalização. Confira em http://www.storyofstuff.com/international/
    Antes da primeira grande guerra existia um globalização, sem internet, ela acabou com o advento da I guerra mundial (Li certa vez no New York Times).
    Talvez agora eles queiram fazer algo mais pacato, apenas baseado em intriga e desconfiança (a base do comércio é a confiança)... pois a guerra é um tiro no pé!
    Eu apoio o controle de natalidade, mas alguns "irmãos" acham que isso quem deve decidir é Deus. Não ou porta-voz de Deus, mas creio que vai morrer muita gente de frio e fome, se tivermos sorte de passar pelos "super-flares" incólumes.

    ResponderExcluir
  5. Muito bons comentários.
    Está na cara que Wikileaks é fachada!! Hoje acabei de ver na TV Cultura (afiliada da Globo!) uma exaltação lisonjeira em favor da Wikileaks e sua trupe. Sendo que para tanto várias vezes citou jornal O Globo, o canal GNT (Globo!) como seus parceiros idiossincráticos!!
    Ora! Quem tem esses como parceiros, jamé pode ser contra o Império de Darth Vaider!

    ResponderExcluir

Comentário anônimo não será mais publicado devido a inúmeras discussões sem o menor sentido que alguns sem sintonia nenhuma no blog insistem em discutir com o objetivo de tumultuar o espaço que é feito para complementar e compartilhar informações e opiniões (não ofensas), a identificação também facilita o "diálogo".