21 março 2011

Líbia - O outro lado


Agradecimentos ao leitor nº Zero. 

Informações do serviço secreto russo sobre a situação na Líbia, publicadas pelo Pravda
Por: Stanley Burburinho
18 Mar 2011 - 1:50

A partir de informações do serviço secreto russo, o Pravda publicou matéria muito esclarecedora sobre a situação na Líbia. Por exemplo: a contratação de mercenários pelo Pentágono através da Halliburton e da Blackwater e que o serviço secreto da Rússia, que controla 100% do espaço aéreo da Líbia, garante que nenhum avião levantou vôo na Líbia desde o inicio das manifestações.Acho que essas informações nunca veremos publicadas na velha mídia do Brasil:

“O serviço secreto russo confirmou ontem através de Nicolai Patrushev, que na verdade o que está existindo é um verdadeiro bombardeio da mídia internacional contra Kadhafi, pois a Russia controla totalmente o espaço aéreo do norte da África e cem por cento da Líbia e que os aviões que supostamente levantaram vôo para executar os bombardeios contra o povo líbio não saíram do chão e portanto não executaram qualquer ação militar; que somado a isso, por não existirem imagens de qualquer vôo, configura uma armação do Pentágono. O Secretário de Defesa do EUA admitiu o erro das informações dizendo que podem ter sido outros aviões, mas setores independentes da mídia internacional já haviam colocado a entrevista dos russos no ar e assim desmoralizado a ação do Pentágono.”

“Outro escândalo que ronda Washington é a participação de mercenários contratados pelo Pentágono, através da Halliburton e da Blackwater para participarem das batalhas na região de Cerenaica, em especial Bengazhi e Trobuk ao lado dos opositores que começam a perder terreno para os simpatizantes de Khadafy. A missão dos mercenários que ficariam sob controle da CIA, Agência Central de Inteligência e até executariam ações secretas com a aliada Al-Qaeda de Bin Laden, contra Khadafi seria manter o controle dos poços de petróleo já sob controle da oposição na região de Bengazhi.”

“Ontem um dos principais líderes da oposição a Kadafi, Khaled Maassou, na região de Cerinaica, confirmou que estava desistindo da luta por não concordar com a participação de mercencários e militares norte americanos em território líbio contra Kadhafi, e que em nenhuma situação irá contribuir com a CIA, que agora começa a assumir com a Al Qaeda o comando da situação na região de Cirenaica.”

“Líbia: Terroristas anti-Gadafi massacraram civis"

15.03.2011

KHATARINA GARCIA e PETER BLAIR
De WASHINGTON e BENGAZHI - REDE MUNDO \ MIDIA LATINA; 06.03.11.

Depois de quase um mês onde duas guerras se realizam na Libia, uma interna, entre khadafystas e opositores do líder revolucionário, e uma no ocidente através da mídia, com o controle total das noticias pela Casa Branca e somente indo ao ar ou tendo imagens liberadas após filtragem do Pentágono ou do Departamento de Estado, a situação começa a mudar no mais emblemático país do norte da África.

Após a exibição pela TV líbia e ainda a reprodução pela Telesur e da Internet de imagens do assassinato de 212 partidários do Coronel Muammar Khadafy, em Bengazhi, mortos a sangue frio, depois de terem sido presos e sem qualquer resistência por seus opositores, o mundo árabe e membros da oposição começam a desistir de lutar contra Khadafy, considerando que já existem grandes divisões no meio dos opositores pela aliança feita por alguns setores com os EUA, inimigo histórico dos povos árabes e que inclusive bombardearam o país matando milhares de líbios.

Outro escândalo que ronda Washington é a participação de mercenários contratados pelo Pentágono, através da Halliburton e da Blackwater para participarem das batalhas na região de Cerenaica, em especial Bengazhi e Trobuk ao lado dos opositores que começam a perder terreno para os simpatizantes de Khadafy. A missão dos mercenários que ficariam sob controle da CIA, Agência Central de Inteligência e até executariam ações secretas com a aliada Al-Qaeda de Bin Laden, contra Khadafi seria manter o controle dos poços de petróleo já sob controle da oposição na região de Bengazhi.

O serviço secreto russo confirmou ontem através de Nicolai Patrushev, que na verdade o que está existindo é um verdadeiro bombardeio da mídia internacional contra Kadhafi, pois a Russia controla totalmente o espaço aéreo do norte da África e cem por cento da Líbia e que os aviões que supostamente levantaram vôo para executar os bombardeios contra o povo líbio não saíram do chão e portanto não executaram qualquer ação militar; que somado a isso, por não existirem imagens de qualquer vôo, configura uma armação do Pentágono. O Secretário de Defesa do EUA admitiu o erro das informações dizendo que podem ter sido outros aviões, mas setores independentes da mídia internacional já haviam colocado a entrevista dos russos no ar e assim desmoralizado a ação do Pentágono.

O ministro das Relações Exteriores da Libia, Mussa Kosa, em nota distribuida à imprensa mundial, apoiou a proposta do Presidente da Venezuela Hugo Chavez, da formação de uma Comissão Internacional de Paz, afirmando ainda que o Coronel Muammar Khadafy sugeriu também que a Comissão de Direitos Humanos da ONU venha à Libia e faça a investigação que desejar e não que tome qualquer decisão com base em informações da mídia comprometida com o complexo industrial militar norte americano.

Ontem um dos principais líderes da oposição a Kadafi, Khaled Maassou, na região de Cerinaica, confirmou que estava desistindo da luta por não concordar com a participação de mercencários e militares norte americanos em território líbio contra Kadhafi, e que em nenhuma situação irá contribuir com a CIA, que agora começa a assumir com a Al Qaeda o comando da situação na região de Cirenaica.

Quanto a decisão da ONU de congelar os bens de Kadhafi e seus familiares no exterior, Maassou afirmou que é uma medida inócua pois Kadhafi não tem bens no exterior e que a ele interessa é o poder, e não o dinheiro. Que o problema de Khadafy não é corrupção, pois ele não é corrupto, o problema de Kadhafi é o autoritarismo e a necessidade de alternância de poder que ele não entende.

Ontem um grupo de palestinos simpatizantes de Kadhafi foi expulso da região de Bengazhi porque se recusavam a lutar contra o líder líbio.

Toda a região de Fezzan, que compreende as cidades que vão de Sabha a Al Kufrah e praticamente toda a Tripolandia, estão sob controle das forças leais a Kadhafi. Apenas parte da região de Cirenaica, no extremo norte, está sobre controle dos opositores.

FONTES - AGNOT3ºMUNDO - REDE MUNDO - INTERPRESS - MIDIA LATINA - 06.03.11.
PETER BLAIR, de Washington e KHATARINA GARCIA, de BENGAZHI\Libia.”

Fonte: http://port.pravda.ru/mundo/15-03-2011/31379-libia_massacre-0/

12 comentários:

  1. Ravena...quanto mais me informo mais baratinada eu
    fico,rs...Já reparou que em quase tudo há 2 versões e contrárias entre si? Às vezes,chega a ter,até, 3 ou mais...Acho isso desgastante,não se
    há certeza de quase nada...Não vejo a hora que essa,entre outras situações,termine.Bjo.

    ResponderExcluir
  2. Ravena!

    Vamos encaixando mais alguams situações...

    [...]Dentre as companhias petrolíferas estrangeiras que operavam antes da insurreição na Líbia incluem-se a Total da França, a ENI da Itália, a China National Petroleum Corp (CNPC), British Petroleum, o consórcio espanhol REPSOL, ExxonMobil, Chevron, Occidental Petroleum, Hess, Conoco Phillips.[...]

    [...]Onze por cento (11%) das exportações de petróleo líbias são canalizadas para a China. Se bem que não haja números sobre a dimensão e
    importância da produção e actividades de exploração da CNPC, há indicações que são apreciáveis.
    Mais geralmente, a presença da China na África do Norte é considerada por Washington como uma intrusão por.
    De um ponto de vista geopolítico, a China é uma intrusa.
    A campanha militar dirigida contra a Líbia pretende excluir a China da África do Norte.[...]

    [...]REESENHAR o mapa da África
    A Líbia tem as maiores reservas de petróleo da África. O objectivo da interferência dos EUA-NATO é estratégico: consiste no roubo sem rodeios, em roubar a riqueza petrolífera do país sob o disfarce de uma intervenção humanitária.[...]

    [...]A intervenção dos EUA-NATO que conduza à futura formação de um regime fantoche dos EUA pretende também excluir a China da região e por
    para fora a National Petroleum Corp (CNPC) da China. Os gigantes anglo-americanos, incluindo a British Petroleum que em 2007 assinou um contrato de exploração com o governo Kadafi, estão entre os potenciais “beneficiários” da proposta operação militar EUA-NATO.[...]

    [...]A União Europeia está fortemente dependente do fluxo de petróleo líbio. Oitenta e cinco por cento do seu petróleo é vendido para países europeus.
    No caso de uma guerra com a Líbia, a oferta de petróleo à Europa Ocidental poderia ser interrompida, afectando grandemente a Itália, França e Alemanha, as quais estão fortemente dependentes do petróleo líbio.[...]

    fonte:
    http://forodobrasil.info/fb/?p=977

    ResponderExcluir
  3. Pois é, aqui também surgiram boatos de participação do tal do haarp nos terremotos pelo mundo, tudo bem que vocÊ tenha lá suas contrariedades com os Estado Unidos, mas não precisa ficar inventando, até usando o "companheiro" Putin como arauto da verdade, vá ver o que este carrasco faz com o seu povo e com quem o contraria, fique na luz.

    ResponderExcluir
  4. Certamente, o motivo da invasão da Iraque foi o petróleo. Não há dúvidas.

    Quanto a Líbia, o exército da Kaddhafi, estava preste à entrar na cidade de Benghazi e, promover o maior banho de sangue (genocídio) de civis dos últimos tempos. Saibam que Benghazi tem mais de 1 Milhão de habitantes e, todos seriam mortos, caso os aliados não chegassem a tempo para impedir o massacre.

    Cuidado com a contra-informação arquitetada pela mídia russa. (guerra fria). Estão querendo nos confundir.....

    Preparei uma tradução rápida do texto acima, e enviei para um amigo Coronel e Professor de Ciências Políticas numa universidade aqui do norte. Horas depois, este amigo telefonou rindo, comentando sobre a criatividade humana.
    Comentou também, que o texto acima não procede. Completou dizendo, que dessa vez não........realmente foi para salvar milhares de vidas.

    ResponderExcluir
  5. Sempre a dupla DD: Dick Cheney, Donald Rumsfeld, está por trás de tudo. BlackWater e Halliburton, propriedade desses canalhas, e não esqueçamos a família nazifascita Bush, que dispensa quaisquer comentários. O lema deles é: poder absoluto no caos.

    ResponderExcluir
  6. Compartilhar: facebooktwitterorkute-mail fechar Enviar por e-mailcomentar Notícias » Mundo » África » África
    Kadafi ataca cidade no oeste e moradores fogem para cavernas
    21 de março de 2011 • 21h08 • atualizado às 21h20 Comentários
    317
    Notícia Fotos Infográfico

    Civil segura munição deixada para trás após combate entre tropas de Kadafi e rebeldes

    Foto: Reuters

    Reduzir Normal Aumentar Imprimir A cidade de Zintan, no oeste da Líbia, foi alvo na segunda-feira de pesado bombardeio das forças leais ao líder líbio, Muammar Kadafi, segundo testemunhas, o que forçou moradores a fugir, indo até para cavernas numa região montanhosa próxima.

    "Várias casas foram destruídas e um minarete de uma mesquita também foi derrubado", disse o morador Abdulrahmane Daw, por telefone, falando de Zintan. "Mais forças foram enviadas para sitiar a cidade. Há agora pelo menos 40 tanques no sopé das montanhas perto de Zintan."

    O jornalista suíço Gaetan Vannay, também contatado por telefone, afirmou que o bombardeio foi o maior em três dias. "Hoje (segunda-feira) essa batalha muito forte começou na frente leste. Mulheres e crianças se esconderam nas cavernas nas florestas." Daw disse que as forças rebeldes, má equipadas, conseguiram evitar que as tropas de Kadafi entrassem na cidade, situada cerca de 140 km a sudoeste de Trípoli, a capital do país.

    "A cidade está sob ataque desde sexta-feira, depois que forças do governo ali chegaram, vindas de Shguiga, no leste, mas se retiraram", afirmou ele, referindo-se a um povoado próximo. "No sábado eles dispararam contra nós e nos atacaram com tanques e armas pesadas. Hoje (segunda-feira), por volta de 10h ou 10h30, usaram tanques e explosivos."

    Ele afirmou que o hospital estava mal equipado e pediu que forças internacionais intervenham na área. O jornalista Vannay, que trabalha para a Rádio Televisão Suíça, descreveu uma feroz batalha no sábado, perdida pelas forças de Kadafi na frente sudeste. O domingo foi mais calmo.

    "Não há literalmente ninguém na cidade", disse ele. "Os civis, incluindo os jovens, são os que estão defendendo a cidade. Muitos foram levemente feridos e houve duas mortes, mas de combatentes. Há também mortes entre as forças de Kadafi." "O poder de fogo de Kadafi é muito superior ao dos rebeldes."

    Cindida entre rebeldes e forças de Kadafi, Líbia mergulha em guerra civil
    Motivados pela onda de protestos que levaram à queda os longevos presidentes da Tunísia e do Egito, os líbios começaram a sair às ruas das principais cidades do país em meados de fevereiro para contestar o líder Muammar Kadafi, no comando do país desde a revolução de 1969. Entretanto, enquanto os casos tunisiano e egípcio evoluíram e se resolveram principalmente por meio protestos pacíficos, a situação da Líbia tomou contornos bem distintos, beirando uma guerra civil.

    Após semanas de violentos confrontos diários em nome do controle de cidades estratégicas, a Líbia se encontrava atualmente dividida entre áreas dominadas pelas forças de Kadafi e redutos da resistência rebeldes. Mais recentemente, no entanto, os revolucionários viram seus grandes avanços a locais como Sirte e o porto petrolífero de Ras Lanuf serem minados no contra-ataque de Kadafi, que retomou áreas no centro da Líbia e se aproxima das portas de Benghazi, a capital da resistência rebelde, no leste líbio.

    Essa contra-ofensiva governista mudou a postura da comunidade internacional. Até então adotando medidas mais simbólicas que efetivas, ao Conselho de Segurança da ONU aprovou em 17 de março a determinação de uma zona de exclusão aérea na Líbia. Menos de 48 horas depois, enquanto os confrontos persistiam, França, Reino Unido e Estados Unidos iniciaram ataques. Mais de mil pessoas morreram, e dezenas de milhares já fugiram do país.

    ResponderExcluir
  7. Ô Ravena, ZERO tem 90 por cento de razão rs.. Agora, acreditar nos russos, achar que kadhafy não é um assassino(pra ficar tanto tempo no poder nesse mundo só sendo um) através do medo.É ser ingênuo demais!Todos sabem ,mesmo os mais adormecidos quem é o imperialismo Anglo/ norte americano/sionista ,mas acreditar nessas versões ..vixe é xarope...!Como diz o irmão Rodrigo,é tudo face da mesma moeda!! rs .. Abraço fraterno
    NAMASTÊ

    ResponderExcluir
  8. As pessoas ficam confusas com tantas informações contrárias que a mídia informa e as próprias analises que são feitas por quem sabe da Agenda do governo secreto(nem tão secreta hoje),muito se fala que os EUA invadiu o Iraque e o Afeganistão só por questões de petróleo e controle,acho que estes quesitos são os brindes,o real motivo acredito que ñ seja bem este,já que a grande maioria ñ conheçe os vários projetos em que eles estão envolvidos,vejam uma das partes deste video/palestra de David Wilcok http://www.youtube.com/watch?v=ostjneAiWoY e leiam esta esclarecedora conversa publicada por 1 jornalista em seu livro http://bloglaurabotelho.blogspot.com/2010/07/deep-sleep.html?utm_source=BP_recent ,se associar as peças do quebra-cabeça dá pra notar que o petróleo ñ é a principal meta a ser conseguida como foi mostrado no Iraque e Afeganistão,Abraços Shaka

    ResponderExcluir
  9. Está aí se configurando as 3 forças como dentro da NOM.
    Uma Sino-russa ( comunista), uma capitalista ( capitaneada pelso EUA e seus aliados ) e outra islâmica ( mundo muçulmano ), e à Líbia é parte destes planos.
    DETONARIAM ELES UM CONFLITO COM OUTRA NAÇÃO, PARA CRIAR NOVA FRENTE DE TENSÃO COMO OCIDENTE?
    Parece que estaria em questão isso.
    Teremos surpresas?
    Bem,o negócio anda bem movimentado mundo adentro.
    Gostei Rave deste outro lado que não se informa pelas mídias controladas daqui.
    Estaremos sempre atentos e tudo se resume, no petróleo.
    Beijos!
    O Haiti alguém se lembra dele? Não! Pois lá não tem petróleo.
    Daniel

    ResponderExcluir
  10. João batista quanto vocÊ está recebendo da gang deste 4º REICH que avança sobre o planeta para postar este "programa" de propaganda da nova ordem mundial escravagista? Qunato estão te pagando ou você é mais um escravo cooptado pela matrix para nos infernizar? Ou devo chama-lo de Smith?
    Se não fosse esta bendita internet seria impossível ouvir a voz daqueles quem a midiocracia da ditatorial nova ordem mundial escravagista ordena que se calem a qualquer custo.
    Será que mundialmente, o HAARP, os chemtrails, as drogas, a monsanto e seus agrotóxicos, a farmáfia com seus remédios dos remédios, as coca-colas, a televisão, as bombas atômicas, a ditadura da midiocracia e outras degenerescências que a casa grande nos impõem já destruiram completamente o lado direito dos cérebros humanos que escravizam?
    Como é possível que o uma "g a n g" em nome dos povos de seus países e de uma "nova" ordem mundial, sempre escravagista, possa em nome da humanidade destruir e saquear impunemente um povo e um país de 6.000.000 (seis milhões) de habitantes como a Líbia, com as mesmas mentiras e a desfaçatez que utilizou para destruir e saquear o Iraque e seu povo com uma lista infindável de milhões de desterrados, crianças e adultos mortos e mutilados ?
    Sinto muito, sou grato, a mim tu não enganas mais...

    ResponderExcluir
  11. Bombardear civis que apóiam Kadhaffi póde? Não é 'desumano'? Ou o critério de humanidade depende do lado em que nos situamos?

    ResponderExcluir
  12. Já repararam que se deixou de ouvir falar da Libia?
    No entanto Kadhafi está a recuperar terreno para afligir a maior derrota da História à NATO.
    Desta vez ele conta com o apoio do exército do Chade, composto por homens adaptados à guerra no deserto e a sobreviver em condições difíceis resta saber em que condições sairá o Ocidente desta História. Contudo não deixa de ser preocupante o avolumar de meios aeronavais no Mediterrâneo.

    ResponderExcluir

Comentário anônimo não será mais publicado devido a inúmeras discussões sem o menor sentido que alguns sem sintonia nenhuma no blog insistem em discutir com o objetivo de tumultuar o espaço que é feito para complementar e compartilhar informações e opiniões (não ofensas), a identificação também facilita o "diálogo".