19 agosto 2011

Terceiro Milênio - Estranha criatura aparece em foto

Yohanan Díaz apresenta no programa Terceiro Milênio, informações sobre a investigação de Jaime Rodriguez sobre o aparecimento de uma estranha criatura em fotografia, que tudo indica não foi alterada. 


Parece que a ruptura entre dimensões já está acontecendo. 


13 comentários:

  1. Interessante hein,,, alguns podem inclusive confundir com um Duende ou Gnomo, devido ao tamanho, mas claro nem todos conseguem ver,,, interessante,,, estão se mostrando mais, abração e tudo de bom Ravena.

    ResponderExcluir
  2. Credo, Rave.
    Que que isso?
    Risos!
    Olha é como o Verdade Oculta 30 está dizendo:
    Coisas muito estranhas estão acontecendo no mundo e o negócio vai piorar.
    Legal Rave, é bem sinistro. hehe
    Viu o Verdade Oculta 30, sobre o Monstro na África.

    ResponderExcluir
  3. Olá tenho vários blogs, entre eles o realidadeoculta.blog.com

    aceita parcerias de links?

    responda para: realidadeoculta@mail.com

    abraço

    ResponderExcluir
  4. Ola Ravena, faz alguns meses que entro em seu blog e de seus companheiros e gostei tanto que sempre visito e gostaria de saber mais sobre essa parte das rupturas das dimensoes se puder me passar alguns links e sites ficaria agradecido. Obrigado;

    ResponderExcluir
  5. O video realmente foi d+, agora quero ver o que vão dizer.

    Mas em relação a foto... Sinceramente eu acato várias ideias, mas esta foto é muito.. MUITO ZUADA.

    Olha só, atrás do "ser", tem uma espécie de portão, pela proporção do tamanho do 'ser' e das cosias que o rodeiama, da para concluir que é um bonequinho de brinquedo encostado em um portao "normal"

    Olhem ta na cara isso '-' olha o tamanho do cano e o tamanh do carinha, é um brinquedo iso ¬6

    ResponderExcluir
  6. Ravena,vendo essa foto com a esfera roxa me lembrei que quando eu morava próximo à represa Billings,passando de carro ao lado de um enorme terreno arborizado,vi uma esfera parecida com essa,era de um tom lilás para roxo,e flutuava lentamente por entre as árvores,fiquei achando que poderia ser uma lanterna,mas não vi ninguém e de repente ela sumiu.Um abração.

    ResponderExcluir
  7. Caramba!
    Cada vez mais coisas estranhas andam acontecendo. Ultimamente só anda coisa estranha acontecendo, os sinais estão aí, até os que não estão sabendo do que está acontecendo dizem que tem algo estranho no ar. Ravena, você viu o vídeo da CNN que confirmou a existencia de um astro maior que Jupiter, e que não sabem (é oque eles dizem, né, é óbvio que sabem) se é uma anã-castanha ou um planeta. E o mais engraçado, é que consta com as caracteristicas que você, Laura e vários outros blogs sobre o assunto vem falando há tempos. Um grande abraço de luz! :)

    ResponderExcluir
  8. Ah sim, e eles disseram que o astro está no nosso sistema solar, e que está próximo de Plutão. Diz também que o astro pode estar empurrando asteróides em nossa direção. Isso te lembra algum planeta onde há seres que acham que podem escravizar outras civilizações? rs

    ResponderExcluir
  9. Olha só o trailer de um jogo que encontrei. Não é brincadeira assista ele até o final.
    http://www.youtube.com/watch?v=tGbZS4hNb98&feature=related

    ResponderExcluir
  10. Para quem assistiu – e se impressionou – com o filme 2012, do diretor Roland Emmerich, o livro 2012, a História é um mergulho certeiro naquilo que o roteiro cinematográfico apenas tangenciou. E, para quem deixou de impregnar-se dos aspectos pouco científicos do filme-catástrofe, a obra de John Major Jenkins que a Larousse lança no Brasil é uma oportunidade única de tomar conhecimento da sabedoria e antevisão dos antigos maias – civilização que ocupou a América Central entre o séculos XX a.c. e X da nossa era.
    Jenkis é um pesquisador independente da cultura maia e há três décadas tem-se dedicado a investigar, interpretar e reconstruir a cosmologia e filosofia desse povo. Ele já escreveu nove livros sobre o tema e em 2012, a História preocupa-se academicamente em destronar mitos e teorias pseudocientíficas que se apropriaram do legado maia para, “baseadas no medo e no marketing alarmista, criar questionáveis cenários de fim do mundo”.
    “Há evidências zero de que os maias tenham previsto o fim do mundo em 2012”, diz Jenkins. O cientista assegura, ainda, que o calendário maia não acaba em 2012 e o que há são interpretações errôneas sobre os ciclos de tempo estimados por eles. Em 2012, a História Jenkins mostra que esta civilização pré-colombiana conseguiu prever com exatidão o alinhamento do sol no solstício com a Via Láctea em dezembro de 2012 e que este raro fenômeno cósmico não é a data do fim do mundo, mas, ao contrário, uma possibilidade de renovação.
    “O mundo precisa passar por uma reviravolta, revertendo os valores de uma ética dominadora egoísta para estratégias de colaboração que eram o ideal das sociedades indígenas”, prega Jenkins. E é assim, juntando ciência, filosofia e messianismo que 2012, a História chega mais próximo que qualquer outra obra de decifrar, através do calendário maia, o real significado da data de 21 de dezembro de 2012 e o que ela, de fato, pode representar.
    Livro, 2012, a história


    Att, 5

    ResponderExcluir
  11. Bom dia. Alguém poderia informar o que é o ponto luminoso que se desloca para o sol, mostrado nos LASCO 2 e 3? pelo lasco 3 o objeto, aparece a partir do dia 15 de agosto no canto superior esquerdo do Lasco 3

    ResponderExcluir
  12. Ele parece meio transparente, impossível ser um brinquedo. Parece mais um tipo de insectóide só que pequeno.

    http://i52.tinypic.com/qohwqt.jpg

    ResponderExcluir
  13. é um ser parecido com um gafanhoto. pra mim é mais um dos enganos dos tempos finais...falsos ets...que na realidade são manipulações feitas por próprios humanos ou são seres demoníacos que se materializam com esse aspecto meio humanoide...mas nao passam se seres espirituais...

    ResponderExcluir

Comentário anônimo não será mais publicado devido a inúmeras discussões sem o menor sentido que alguns sem sintonia nenhuma no blog insistem em discutir com o objetivo de tumultuar o espaço que é feito para complementar e compartilhar informações e opiniões (não ofensas), a identificação também facilita o "diálogo".