27 outubro 2011

Somos programados


Nós fomos "programados" biologicamente, fisicamente, e, também, "programados" mentalmente, intelectualmente. Devemos estar cientes de que fomos programados como um computador. Os computadores são programados por especialistas para produzirem os resultados que eles desejam...

O homem foi programado para ser católico, protestante, para ser italiano ou inglês, e assim por diante. Durante séculos ele foi programado - para acreditar para ter fé, para seguir certos rituais, certos dogmas; programado para ser nacionalista e ir à guerra.

Desse modo, o seu cérebro tornou-se tal como um computador, embora não tão capaz, porque o seu pensamento é limitado... Perceba o que isso significa: isso significa que você não é mais um indivíduo. Isso é muito duro de aceitar, porque nós fomos programados religiosamente para pensar que temos almas separadas de todos os demais. Sendo programado, o nosso cérebro trabalha do mesmo modo há muitos séculos. Temos que aprender a ver as coisas como elas são na realidade - não como vocês são programados para olhar. Podemos nos libertar de sermos programados e olhar?

Krishnamurti - A Rede do Pensamento

Via maravilhoso blog O Farol do Buscador




8 comentários:

  1. Olá Ravena, vou postar praticamente o mesmo comment do post do por do sol porque ele diz o que este post diz...rsrs

    Nós fomos programados por eles, e nos ensinaram à nos programar com todos os programas que eles nos disponibilizaram. Não nos foi dado direito algum para conhecermos as verdades. As lições e verdades que nos ensinaram estavam e estão erradas. Para nos reciclar não é fácil, temos que trocar o chip, a memo ram, placa de vídeo pois nossos olhos muitas vezes nos enganam, trocar nosso HD cerebral, pois no velho há tantos vírus residentes que não existe limpa que de jeito e que eles irão detonar todas as novas e verdadeiras informações. Todas as informações estão nas nossas caras e quase sempre a gente passa batido e nem percebe. Precisamos aguçar nossos sentidos e recebermos estas novas informações e processá-las numa nova máquina biológica.
    Cego não é aquele que não vê, e sim aquele que não quer enxergar.
    forte abraço

    ResponderExcluir
  2. Oi Robledo,

    Perfeito querido, aliás, obrigada pelos comentários em todos os posts. Não estou conseguindo responder mas leio tudo com imenso carinho e gratidão.

    O segredo é desejar RE-aprender, o processo é dolorido mas imensamente compensador.

    Obrigada!

    Abração

    ResponderExcluir
  3. "O segredo é desejar RE-aprender, o processo é dolorido mas imensamente compensador"

    Concordo em gênero, número e grau.

    ResponderExcluir
  4. Bom dia Ravena e a todos.

    Não é a primeira vez que conto essa pequena fábula, mas me parece que ela nos situa no presente contexto.

    “Era uma vez...”

    Ao caminhar pela relva, um enorme elefante pisou num formigueiro que estava no caminho.

    As formiguinhas, todas revoltosas, aos milhares lhe subiram pelas patas em direção ao dorso enquanto sem nem mesmo se dar conta disso ele continuava caminhando balançando aquele enorme corpo.

    Odiando aquela situação mais vexatória que a própria destruição do seu ninho as formigas o mordiam ferozmente, mas naquele couro que mais parecia couraça de onde eriçavam alguns pelos isolados, o grande animal desapontava cada vez mais as iradas formigas, e elas diziam:
    – Mordam com mais força ele já começa a balançar e vai cair..!
    E o monstro continuava andando com seu corpanzil pendendo de um lado para outro.

    Por um motivo qualquer, o elefante resolveu chacoalhar o corpo, como fazem os cachorros quando estão molhados, ah..! Foi um arraso, voou formiga para “tudo que é lado”, não sobrou nenhuma, bem.., quase nenhuma...

    Uma que estava na região inferior do pescoço do bicho ficou pendurada em um dos pelos enormes que saltam aqui ou acolá naquele couro monstruoso “de grosso”.

    Todas as formiguinhas que caíram no chão, ainda completamente atordoadas, viram extasiadas, aquela cena incrível da companheira que estava presa ao pescoço do elefante, então começaram a gritar:

    “— Você o tem numa chave de braço, jogue-o ao chão que nós atacamos...”.

    Moral da história!

    A ignorância é o elefante que imaginamos dominar! Sair do seu caminho seria o correto para seu ciclo findar, mas abraçamos inevitavelmente a ilusão sempre.

    A sabedoria não precisa flutuar no lago, basta estar na água.

    Fraternalmente.

    ResponderExcluir
  5. Marcus Siviero,

    Estou muito grata por todos os seus comentários, eles estão enfeitando o blog com tanta sabedoria. Não estou conseguindo responder então de coração, agradeço através deste.

    Beijo grande

    ResponderExcluir
  6. Ravena minha "anja" da Net, desse jeito "ocê" estraga eu, meu EGO (foi o máximo que consegui reduzir) "exprodi"!
    Beijos do "véio"!!

    ResponderExcluir
  7. O segredo é desejar RE-aprender, o processo é dolorido mas imensamente compensador.
    E quem quer sair do conhecido SOFRELIZ né...mas vamos Ravena vamos que uma hora emplaca...beijocassssssssssssssssssssss

    ResponderExcluir
  8. Cris??

    É a flor que também enfeita esse jardim? Tá sumida querida!! Fico feliz com o comentário querida.

    Beijão

    ResponderExcluir

Comentário anônimo não será mais publicado devido a inúmeras discussões sem o menor sentido que alguns sem sintonia nenhuma no blog insistem em discutir com o objetivo de tumultuar o espaço que é feito para complementar e compartilhar informações e opiniões (não ofensas), a identificação também facilita o "diálogo".