20 novembro 2011

América Latina entra em clima de declínio econômico, diz FGV

Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Peru e Uruguai foram avaliados como em declínio...

Uma piora das avaliações a respeito da situação atual da economia e das expectativas futuras fez o Índice de Clima Econômico (ICE) da América Latina recuar de 5,6 para 4,4 pontos entre julho e outubro deste ano, segundo pesquisa da Fundação Getulio Vargas (FGV) em parceria com o Instituto Ifo. De acordo com o estudo, o indicador ficou abaixo da média histórica, o que sinaliza a entrada da região na fase de "declínio" do ciclo econômico, após permanecer na fase de "boom" entre julho de 2010 e julho de 2011.

Entre os países pesquisados, apenas o Paraguai foi avaliado no limite entre boom e declínio. Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Peru e Uruguai foram avaliados como em declínio, enquanto Bolívia, México e Venezuela tiveram índice de clima que aponta recessão. Em julho, cinco países estavam na fase de "boom".

O componente de situação atual na região passou de 5,9 para 5,2 pontos. "Apesar da queda, o nível superior a 5 pontos indica uma avaliação ainda favorável a respeito do momento presente. O componente de expectativas recuou de 5,3 para 3,5 pontos, sinalizando pessimismo em relação aos próximos meses", disse a FGV. Falta de competitividade, inflação, desemprego e escassez de mão de obra qualificada foram os principais problemas encontrados na América Latina.

"No caso brasileiro, o principal problema apontado é também a competitividade, mas a inflação aparece em segundo lugar, seguida de falta de mão de obra qualificada, déficit público e escassez de capital", afirmou a FGV. No ranking de países, a principal mudança foi a ascensão do Peru de quinto para primeiro lugar, com projeções de crescimento de até 6,5% neste ano. O Brasil perdeu uma posição, passando da sétima para a oitava.

O resultado da América Latina seguiu o movimento mundial. O ICE apurado pelo Ifo para 119 países caiu de 5,4 para 4,3 pontos entre julho e outubro. A sondagem antecipa tendências econômicas, com base em informações prestadas trimestralmente por especialistas nas economias de seus respectivos países.

Fonte: Terra



Mas a crise passaria como uma marolinha...


Ravena

9 comentários:

  1. Boa tarde Ravena e a todos.

    "... escassez de capital..." a frase mais significativa do presente comentário é essa!
    A "matéria-prima" mais importante do capitalismo selvagem que vivemos é exatamente a escassez de tudo, a do capital é somente mais uma.
    Todos os governos que favorecem as empresas "produzirem" escassez; de um modo ou de outro escravizam seu povo, mas todo povo que simplesmente aceita a escasses aprecia a escravidão que vive.
    O dia que o povo brasileiro boicotar as "ferramentas" da elite esta passará a conhecer o verdadeiro poder.
    Corra risco com o ladrão, tire sua "miséria" da poupança, mantenha sua conta-corrente a zero, não troque de carro antes de dez anos de usá-lo, compre nas "vendinhas" evite as grandes redes, não promova as grandes grifes.
    O dia que o brasileiro descobrir que pode mudar o mundo apenas boicotando os privilegiados, então construiremos a Nação Brasil.
    Revolução se faz com sangue ou com cultura, mas sempre com sacrifícios, esperar solução no próximo apenas nos deixa velhos e esperançosos!
    Fraternalmente.

    ResponderExcluir
  2. Olá Ravena, excelente postagem! Ninguém em sã consciência gostaria de ver uma crise financeira internacional, que como aconteceu antes na primeira e segunda grande guerra provocar uma terceira, desta vez entre nações com poder bélico e tecnologia nuclear suficiente para extinguir a vida no planeta!
    A humanidade vive agora sua prova final. Se houver uma conscientização mundial e a maioria optarem por uma economia justa baseada em recursos, passar a respeitar a vida, não apenas a humana, mas de todos os seres animal e vegetal, reintegrando-se ao planeta e ao criador, teremos um futuro brilhante e inimaginável. Ou caso insista neste sistema financeiro fraudulento gerador do consumismo destruição e miséria, fracassar como espécie!
    Todos os problemas têm solução, mas precisamos abandonar a falsa zona de segurança e conforto. Parar de confiar nossa sorte a governos e instituições que são necessárias apenas dentro do atual sistema. Ou como ao longo do tempo e até hoje fazemos, acreditar que a simples troca destes dirigentes, marionetes criados pelo próprio sistema será a solução. Insistir no atual sistema financeiro e suas oligarquias é condenar ao fracasso o futuro da humanidade.
    Não nos resta muito tempo, mas felizmente começaram a acontecer algumas mudanças. Milhares de trabalhos feitos por na internet por pessoas voluntárias de variadas classes sociais, religiões e etnias diferentes, trabalham para informar e despertar na humanidade um novo estado de consciência.
    Parabéns e obrigado pelo seu trabalho!
    Donizete.

    ResponderExcluir
  3. Eh pessoal quem comprou casa financiada em 20 anos, carro em 36 prestações realmente gosta de fortes emoções.

    ResponderExcluir
  4. Por que o Sistema Capitalista Quebrou ?

    Os vinte maiores devedores do mundo, e os verdadeiros culpados por grande parte dos conflitos mundial. Dinheiro e poder é tudo o que vale para eles. Acabou-se a zona de conforto para estas nações.

    20º. Estados Unidos – 101,1%
    Dívida externa (como % do PIB): 101,1%
    Dívida externa bruta: US$ 14,825 trilhões
    PIB de 2009 (est): US$14,66 trilhões
    Dívida externa per capita: US$ 48.258

    19º. Hungria – 120,1%
    Dívida externa (como % do PIB): 120,1%
    Dívida externa bruta: US$ 225,24 bilhões
    PIB de 2009 (est):): US$ 187,6 bilhões
    Dívida externa per capita: US$ 22.739

    18º. Austrália – 138,9%
    Dívida externa (como % do PIB): 138,9%
    Dívida externa bruta: US$ 1,23 trilhão
    PIB de 2010 (est): US$ 882,4 bilhões
    Dívida externa per capita: US$ 57.641

    17º. Itália – 146,6%
    Dívida externa (como % do PIB): 146,6%
    Dívida externa bruta: US$ 2,602 trilhões
    PIB de 2010 (est): US$ 1,77 trilhão
    Dívida externa per capita: US$ 44.760

    16º. Espanha – 179,4%
    Dívida externa (como % do PIB): 179,4%
    Dívida externa bruta: US$ 2,46 trilhões
    PIB de 2010 (est): US$ 1,37 trilhão
    Dívida externa per capita: US$ 60.614

    15º. Grécia – 182,2%
    Dívida externa (como % do PIB): 182,2%
    Dívida externa bruta: US$ 579,7 bilhões
    PIB de 2010 (est): US$ 318,1 bilhões
    Dívida externa per capita: $ 53.984

    14º. Alemanha – 185,1%
    Dívida externa (como % do PIB): 185,1%
    Dívida externa bruta: US$ 5,44 trilhões
    PIB de 2010 (est): US$ 2,94 trilhões
    Dívida externa per capita: US$51.572

    13º. Portugal – 223,6%
    Dívida externa (como % do PIB): 223,6%
    Dívida externa bruta: US$ 552,23 bilhões
    PIB de 2010 (est): US$ 247 bilhões
    Dívida externa per capita: US$ 51.572

    12º. França – 250%
    Dívida externa (como % do PIB): 250%
    Dívida externa bruta: US$ 5,37 trilhões
    PIB de 2010 (est): US$ 2,15 trilhões
    Dívida externa per capita: US$ 83.781

    11º. Hong Kong – 250,4%
    Dívida externa (como % do PIB): 250,4%
    Dívida externa bruta: US$ 815,65 bilhões
    PIB de 2010 (est): US$ 325,8 bilhões
    Dívida externa per capita: US$ 115.612

    10º. Noruega – 251%
    Dívida externa (como % do PIB): 251%
    Dívida externa bruta: US$ 640,7 bilhões
    PIB de 2010 (est): US$ 255,3 bilhões
    Dívida externa per capita: US$ 137.476

    9º. Áustria – 261,1%
    Dívida externa (como % do PIB): 261,1%
    Dívida externa bruta: US$ 867,14 bilhões
    PIB de 2010 (est): US$ 332 bilhões
    Dívida externa per capita: US$ 105.616

    8º. Finlândia – 271,5%
    Dívida externa (como % do PIB): 271,5%
    Dívida externa bruta: US$ 505,06 bilhões
    PIB de 2010 (est): US$ 186 bilhões
    Dívida externa per capita: US$ 96.197

    7º. Suécia – 282,2%
    Dívida externa (como % do PIB): 282,2%
    Dívida externa bruta: US$ 1,001 trilhão
    PIB de 2010 (est): US$ 354,7 bilhões
    Dívida externa per capita: US$ 110.479

    6º. Dinamarca – 310,4%
    Dívida externa (como % do PIB): 310,4%
    Dívida externa bruta: US$ 626,1 bilhões
    PIB de 2010 (est): US$ 201,7 bilhões
    Dívida externa per capita: $113.826

    5º. Bélgica – 335,9%
    Dívida externa (como % do PIB): 335,9%
    Dívida externa bruta: US$ 1,324 trilhão
    PIB de 2010 (est): US$ 394,3 bilhões
    Dívida externa per capita: US$ 127.197


    4º. Holanda – 376,3%
    Dívida externa (como % do PIB): 376,3%
    Dívida externa bruta: $2,55 trilhões
    PIB de 2010 (est): $676,9 bilhões
    Dívida externa per capita: $152.380

    3º. Suíça – 401,9%
    Dívida externa (como % do PIB): 401,9%
    Dívida externa bruta: US$ 1,304 trilhão
    PIB de 2010 (est): US$ 324,5 bilhões
    Dívida externa per capita: $171.528

    2º. Reino Unido – 413,3%
    Dívida externa (como % do PIB): 413,3%
    Dívida externa bruta:: US$ 8,981 trilhões
    PIB de 2010 (est): US$ 2,173 trilhões
    Dívida externa per capita: US$ 146.953

    1º. Irlanda – 1.382%
    Dívida externa (como % do PIB): 1.382%
    Dívida externa bruta: US$ 2,38 trilhões
    PIB de 2010 (est): US$ 172,3 bilhões
    Dívida externa per capita: US$ 566.756

    Com excessão de 2 ou 3 países, o mundo cresceu não foi com o dinheiro de crescimento, mas sim, com dinheiro de ENDIVIDAMENTO.

    ResponderExcluir
  5. Marcus Siviero............Isso mesmo. Mas o povo brasileiro com a sua cultura, não está preparado de forma alguma para seguir a tua sugestão.

    Já foi dito que, "se não mudas pelo amor, mudarás pela dor." Digo, amor pelas boas atitudes.
    Com certeza 90% da população, escolheu a segunda opção. Ou seja, "a mudança pela dor". E, já estão sofrendo há décadas e décadas......

    Tempo atrás, a Revista Times, comentou que o "Capitalismo Brasileiro", é um dos mais selvagens do mundo. Vale Tudo !!!

    ResponderExcluir
  6. Olá a todos, boa noite!

    Olha, dos diversos agradecimentos que já fiz a Ravena, quero acrescentar mais um a ela, e quero também agradecer a todos vocês que vem aqui diariamente e postam seus sábios comentários, aos quais em muitas das vezes nos informam tanto quanto os post's da Ravena.

    Muito obrigado por vocês todos existirem, por causa de vocês, ''pessoas esclarecidas'' hoje sou outra pessoa, enxergo coisas que estavam a frente do meu nariz e eu não conseguia enxergar, e vou além, enxergo coisas bem mais distantes agora.

    Obrigado!

    ResponderExcluir
  7. Bom dia Ravena e a todos.
    Dizer que o Tharcon está errado só se eu fosse burro eheheh, porém noto que os que aqui vem tentam até com "martelos" colocar na cabeça do povo algumas premissas evolutivas.
    Bem.., ou uma hora o povo aprende ou vamos quebrar nossos martelos, mas saber que já há os que se preocupam é uma ótima expectativa.
    Fraternalmente.

    ResponderExcluir
  8. Oi Roberto 21!Não precisa agradecer!Agradeça principalmente a vc,que está em busca de conhecimento de aprendizado incansável com humildade,sem preguiça e preconceito!Se a maioria buscasse como vc,com seu empenho,o mundo em que vivemos estaria alguns passos mais adiante.Vc entrou no "JOGO"!Quando nos esforçamos em nos sintonizar,amar e nos unimos, somos mais fortes, convincentes para si mesmo e de quebra para os outros.A Ravena e todos os buscadores conscientes deste espaço apenas buscam iluminar nossas vidas com essa troca e com a certeza que chegaremos a algum lugar de verdades!Abraço fraterno

    ResponderExcluir
  9. Roberto21, Tharcon, Marcus Siviero, Donizete, Sucris,

    Meus queridos, sou eu que tenho que agradecer. Por diversas vezes pensei em desistir mas a energia de pessoas como vocês, sustentam o trabalho e sou imensamente grata por isso e por pessoas como vocês existirem nessa minha modesta caminhada. A energia de vocês moram no meu coração!

    Meus sinceros, carinhosos e imenso sentimento de gratidão.

    Beijo no coração de todos

    ResponderExcluir

Comentário anônimo não será mais publicado devido a inúmeras discussões sem o menor sentido que alguns sem sintonia nenhuma no blog insistem em discutir com o objetivo de tumultuar o espaço que é feito para complementar e compartilhar informações e opiniões (não ofensas), a identificação também facilita o "diálogo".