10 novembro 2011

Corpo de menino de 8 anos atrai objetos metálicos, em Goiânia


Marcos Paulo Garbone Gimenez, de 8 anos, diz ter descoberto na última sexta-feira (4) que seu corpo tem a capacidade de atrair metais. A situação para o menino, que mora no setor Celina Park, em Goiânia, ainda é uma novidade e tem deixado família e amigos curiosos. “Eu estou achando bom. É estranho, mas não sinto dores. Acho tudo normal”, revela o garoto, que – ao lado da mãe – falou com o G1 nesta terça-feira (9).

A descoberta aconteceu depois que a mãe de Marcos Paulo, a advogada Rita de Cássia Garbone Gimenez dos Reis, viu uma reportagem na TV sobre o menino Ivan Stoilikovic, que virou atração na cidade de Koprivnica, na Croácia, porque teria poderes magnéticos. “Os médicos estavam fazendo testes com as crianças. Eu reparei que os metais só grudavam nas mais gordinhas e, como o Marcos é gordinho, eu decidi que ia testar a técnica com ele depois”, conta.

Segundo Rita de Cássia, o teste foi feito durante o jantar, com sucesso: “Nós estávamos jantando e eu coloquei um garfo nele e ficou. Aí começamos a colocar colher, faca, cinzeiro, panela e até um ferro de passar roupa. Todo mundo aqui em casa tentou fazer a mesma coisa, mas os objetos metálicos só ficaram grudados nele”.

Procurada pela reportagem, a dermatologista Juliana Salgado disse não acreditar na capacidade eletromagnética do corpo. Para ela, a explicação está na produção de suor e sebo, que facilita que objetos de superfície lisa grudem na pele. O colunista do G1 Alysson Muotri também avalia que o suposto magnetismo é apenas um mito (mito?!), tanto que o jovem "segura" itens como um celular, cuja superfície é plástica. "Nossa pele é, por definição, viscoelástica. E algumas peles são mais grudentas do que outras", escreveu o especialista em artigo no Blog Espiral.

Alheio à influência dos especialistas, o garoto Marcos Paulo diz que vive a situação com um misto de curiosidade e mistério. Ele, que faz o 3º ano do ensino fundamental, disse que contou aos amigos, mas eles não acreditaram. “Ninguém acreditou, nem a professora. Todos falaram que era mentira e riram”, revela. A mãe lembra que, a princípio, o restante da família também desconfiou da situação e os parentes só acreditaram depois que viram as fotos enviadas pelo pai do menino.

A advogada ressalta que não acredita em superpoderes e que o filho nunca teve nenhum problema de saúde. “Ele fez exames de rotina há uns três meses porque eu queria orientação porque ele está gordinho e não deu nada de errado. Penso que tem mais a ver com magnetismo, acho que ele tem mais estática no corpo que a gente”, ressalta Rita de Cássia. No entanto, ela pretende levar o filho ao médico ainda nesta semana, assim que souber qual especialidade deve procurar.

Segundo Rita de Cássia, a família teme que as pessoas vejam a situação como uma espécie de milagre: “tenho medo de que as pessoas achem que ele tem algum poder de cura e queiram colocar a mão nele, ou coisas do tipo”.

De acordo com a advogada, o magnetismo é mais intenso no final do dia e quando o filho está descalço, em contato com o chão. “Quando aproximamos algum material metálico parece que o corpo dele puxa, como se fosse um imã”.

Muito suor e pouco pelo
Para a dermatologista Juliana Salgado diz não acreditar na capacidade eletromagnética do corpo (acreditar? Onde ela estudou?!). Para ela, a explicação para o curioso acontecimento está na produção de suor e sebo, que facilita que objetos de superfície lisa grudem na pele. “A pele é naturalmente coberta de suor e sebo. Existem algumas áreas de maior concentração das glândulas como, por exemplo, na face, nas costas e no tórax”, explica.

Segundo a médica, o fator da obesidade pode aumentar a produção de secreção. “É cientificamente comprovado que em pessoas obesas a produção de sebo e suor é maior. A falta de pelo também ajuda objetos a se fixarem melhor na pele. Tenho certeza de que esses objetos não vão grudar na cabeça dele. Ou seja, a combinação de uma pele que produz mais secreção e sem pelos facilita a aderência de objetos lisos”, explica.

Para Juliana Salgado, as dobrinhas das pessoas obesas também funcionam como calços e ajudam a firmar os objetos. Para o colunista do G1 Alysson Muotri, não há mistério. "Os casos parecem ser raros ou inusitados porque poucas pessoas gastam seu tempo tentando pendurar colheres na barriga."






Fonte: G1


Tinha que ser no Brasil uma explicação idiota dessas! Será que a Juliana consegue pendurar um ferro na dobrinha de qualquer gordinho? Afff...Está cheio de sebo na cabeça desses médicos especialistas...

Ravena

11 comentários:

  1. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Os medicos de merda, limitados ao ponto da ridicularidade.
    É só para rir mesmo.
    As crianças do fim dos tempos e suas peculiaridades, ja apareceram outras com campo magnetico alterado pelo mundo.
    Fora aqueles jovens que dormem varios dias seguidos.

    xD

    Bjo Rav. o/

    ResponderExcluir
  2. Bom dia Ravena e a todos.

    Se avaliarmos os profissionais médicos que se graduam nos dias de hoje e montam, não consultórios, mas sim escritórios de câmbio, central de negócios, entre outros comércios de ampla remuneração com vidas, o que deveríamos esperar como resposta?
    A foto demonstra que se aquele "ferro elétrico" não foi colado com superbond está sim magnetizado, não acho que vocês queiram saber onde tem dobrinhas na médica que falou asneira, não?
    Fraternalmente, com "dobrinha".

    ResponderExcluir
  3. Eu sei que a gente gosta de mistérios aqui, mas explosões solares e sumiço de dados pela NASA são bem diferentes disto.
    Realmente é o suor da pele, um imã segura um objeto mesmo agarrando o objeto por cima. Já estas pessoas "magnéticas" estão sempre ligeiramente inclinadas para traz, elas nuca grudam nada se contar com um mínimo de atrito.
    Se o garoto colocar o objeto no chão, deitar em cima e se levantar ( como em uma flexão de braço) o objeto não vai grudar.
    Eu tinha isto quando criança e só funcionava com a pele ligeiramente úmida, se vc secar a pele com álcool ( limpa com álcool para tirar a gordura e espera o álcool secar) os objetos não seguravam, depois que nasceu os pelos não funciona mais.
    Desculpa, mas de vez em quando os médicos acertam. :)

    ResponderExcluir
  4. Olá Ravena! post interessante, muito bom! explicação curiosa da dermatologista mas seria necessário fundamentar a tal "tese": pessoas gordas produzem tanto sebo assim? qto de sebo é necessário p fixar um ferro de passar roupa, apoiado a 90 graus? e qual a viscosidade mínima p suportar comodamente um peso de um ferro de passar roupa, cuja superfície deste ferro tem que ser extremamente lisa, para não danificar o tecido? o que eu não entendi na matéria é se os objetos sofrem qq movimento na aproximação do garoto ou somente se fixam qdo apoiados por alguém e alguém pesquisou o campo magnético em volta do garoto?

    ResponderExcluir
  5. Hahah

    O suor e a pele do menino então é uma supercola para aguentar um ferro de passar.Acho que ninguém toca nele senão fica grudado!

    ResponderExcluir
  6. Bom creio que existam reamente pessoas que tem este dom...
    Eu sou magro e já consegui o mesmo feito que este menino da reportagem.... coloquei colheres, ferro de passar, panelas... tudo fixou... segundo o que percebi no meu corpo parecia que minha pele mantinha os metais junto ao corpo por aderência e não por algum tipo de magnetismo

    ResponderExcluir
  7. Olá Ravena!
    Eu vi essa explicação na TV, um físico fez o mesmo teste e deu uma explicação mais científica do que a dada por essa médica.
    O físico mandou os garotos darem uma corridinha para transpirar, depois ofereceu objetos metálicos para colocar no corpo, nem todos os objetos colaram, e de todos os garotos presentes, só o gordinho apresentou o "fenômeno". A explicação é a mesma quando se molha uma superfície lisa, como o vidro e junta-se outra lâmina de vidro, o que ocorre é que entre as duas superfícies o ar é eliminado, criando um vácuo, desta forma as duas superfícies ficam "coladas".
    Mas o teste final sentenciou, bastou colocar uma blusa no gordinho que nenhum objeto colou em seu corpo. Repare que nenhum dos garotos "magnéticos" usam blusa ao mostrar o feito. Ou seja, não é magnetismo, pq se fosse, o objeto colaria no corpo, mesmo com blusa. Este teste pode ser feito por qualquer um, coloque um imã atrás de uma blusa ou casaco e do outro lado coloque um objeto metálico, eles vão "colar". =)
    Abraço!

    ResponderExcluir
  8. É anônimo, em alguns casos até poderia res uma farsa usando-se um imã por trás da blusa, mas ai não funcionaria com objetos plásticos por exemplo.
    Agora, o que acredito ser mesmo é que a pele fica oleosa e com o tanto de sujeira acumulada, (aquela que vc não vê, mas que está ali) forma um grude que é capaz de segurar alguns objetos. Mas tem um caso que mostrou um moleque desses ai que atraiu e ficou grudados pesos utilizados em ginásticas.
    Seja lá o que for, é exatamente o que éhhh

    ResponderExcluir
  9. Pessoas "magnéticas" SÃO REAIS!

    Acho que os "gordinhos" acima podem até ser postos em dúvida, mas existem pessoas que REALMENTE fazem isso!!

    A PROVA DISSO ESTÁ LOGO ABAIXO:

    OBS:::: Vou colar aqui informações que havia colocado em um fórum que frequentava.
    ----
    A eletricidade produzida biologicamente não é novidade no mundo natural...Exitem insetos e peixes que são capazes de produzi-las. O que está se descobrindo é que alguns humanos também são capazes de manipular esta força.

    Em um documentário no Discovery Channel, chamado "HUMANOS ELÉTRICOS", tinha duas histórias. A segunda, (mais interessante) era sobre uma mulher capaz de atrair campos elétricos e também causar curto circuito nas coisas. Essa mulher foi testada em laboratório, na experiência mediram o nível de eletricidade produzida pelo corpo (lembrando aqui que todo humano produz certa eletricidade, afinal é também por causa dela que o corpo funciona), descobriram que a quantidade dessa eletricidade aumentava em um nível acima do normal quando ficava estressada ou empolgada. Como a ciência ainda está estudando, então ainda não há aquela afirmação fatual do meio ciêntífico.Porém pode-se dizer que o fenômeno existe, só que ainda não se tem uma explicação do porque acontece.

    Eu vi esse programa e vou colocar aqui um pedacinho desse caso que eu colei da sinopse:

    Debbie, de Brighton, Inglaterra, afirma que pode acender e apagar lâmpadas com o poder da mente. Chamada Street Light Interference Syndrome (SLI, ou Síndrome de Interferência em Postes de Luz), sua habilidade é acionada em momentos de agitação. Sempre que Debby fica empolgada ou estressada, ela afirma que sua mente emite uma energia que interfere com vários dispositivos elétricos, de eletrodomésticos a lâmpadas de postes.

    Link da fonte deste texto:

    http://discoverybrasil.uol.com.br/web/historias-incriveis/episode-guide/electric-human/

    Continua...

    ResponderExcluir
  10. Continuação...

    Ou seja, já HOUVE UM ESTUDO CIENTÍFICO QUE IDENTIFICOU ANOMALIA Elétrica EM PESSOAS e ESSAS PESSOAS SÃO CAPAZES DE INFLUENCIAR O AMBIENTE, mas não é fácil medir isso, ou estudar pois nossa ciência não tem boa aparelhagem e as pessoas que realmente são "magnéticas" são raras, a maioria sente vergonha ou medo de virar "rato de laboratório" e não procuram os cientistas, fora que A MAIORIA DOS CIENTISTAS NÃO ACREDITAM NESSAS PESSOAS.

    ----

    Acho que no final das contas todo ser humano nasce com milhões de "habilidades",ou até funções físicas que se ampliam causando reações ditas "paranormais", (afinal corpo e mente trabalham juntos), mas que estão por uma série de fatores dormentes, porém algumas pessoas conseguem destravar, ou nascem já "destravadas" de algumas destas funções.

    ----

    MEU RELATO REAL !!!!!

    MINHA MÃE TEM A CAPACIDADE DE MEXER NA AGULHA DA BÚSSOLA SEM TOCAR NELA! A agulha segue a mão dela! Quando fica estressada ela queima lâmpadas se estiver embaixo de uma! Ela descarrega qualquer tipo de bateria se ficar em contato com uma por muito tempo! Quando ha chuva com raios ela não pode mexer nas torneiras, nem atender telefone, nem andar descalça, ou estar em contato com qualquer coisa condutora, pois ela toma choque! Cada vez que um raio cai perto da casa ou vizinhança ela sente os pelos arrepiarem (ela não tem medo, e sempre sente antes do barulho, ela sabe quando caiu um raio mesmo sem evidencia visual)! Ela também não pode ficar perto de tomadas nas tempestades pois as tomadas faíscam se ela tiver perto! Ela também não troca lampadas pois saem fios de eletricidade do bocal atrás da mão dela! Aparelhos eletrônicos sempre estragam mais rápido com ela, ou apresentam mal funcionamento. Celular então sempre tem ser trocado pois logo dá defeito "sem motivo". O chuveiro do quarto dela esta sempre queimando, e olha que nós já moramos em 4 casa diferentes, é sempre a mesma coisa! Entre outros acontecimentos elétricos "bizarros".

    Ao contrário do que possa parecer, esse tipo de "característica biológica" não é tão legal assim. Principalmente no mundo em que vivemos hoje.

    concluindo:

    O PROBLEMA DA MAIORIA DAS PESSOAS CÉTICAS HOJE NÃO É COMPROVAR A EXISTÊNCIA DE CERTAS COISAS TACHADAS DE "ESTRANHAS". O PROBLEMA É QUE NÃO HÁ ATITUDE DESTAS PESSOAS DE CAVUCAR AS INFORMAÇÕES JÁ EXISTENTES ATÉ MESMO AS CIENTÍFICAS SOBRE ESSES ASSUNTOS QUE ELES DIZEM QUE "NÃO EXISTEM"!!!

    ResponderExcluir
  11. Aragem querida,

    Nada, nada a acrescentar, só posso lhe agradecer por compartilhar os relatos sobre sua mãe e as experiências que vocês todos tem vivido. Fico grata também pela informação, links e vou aproveitar para deixar mais um:

    o homem imã
    http://www.youtube.com/watch?v=CgracviLeHA&feature=related

    Um episódio de uma série fantástica produzida pelo History, os Super Humanos.

    Obrigada querida e sua mãe é Pura Energia!! Já assistiu o filme? Maravilhoso, perdi uns 2 litros de água assistindo, desidratei de tanto chorar!

    Beijo grande

    ResponderExcluir

Comentário anônimo não será mais publicado devido a inúmeras discussões sem o menor sentido que alguns sem sintonia nenhuma no blog insistem em discutir com o objetivo de tumultuar o espaço que é feito para complementar e compartilhar informações e opiniões (não ofensas), a identificação também facilita o "diálogo".